_delírios_da_força_artística_I

////se minha lilith e minha lua estão no mesmo signo, significa que eu mostro e não mostro as mesmas coisas?\\\\

Sou o que eu sou _Mesmo sem platéia eu me mantenho na postura dura e lapidada_
Sempre expostA
Mas de vez em quando eu queria sumir.
Irembora,trocardenome,mudarocabelo,falaroutralíngua e apagar de mim a maior parte do que me habita.
Queria zerar minha vida. Me apagar da memória de [quase] todo mundo. ////permito que me guardem aquelas que quero guardar\\\\
Repenso minha carreira com uma intensidade estranha, acredito fielmente que eu poderia largar isso a qualquer momento e n u n c a mais voltar atrás.
Faço isso diariamente.
Será…?

Q U E R O I R E M B O R A

Quero ir embora daqui o mais rápido possível por não aguentar mais a realidade e a história que o aqui carrega.
ApÁticA À vidA
Vida à parte de mim
Canso de viver as coisas de forma cíclica. Tudo se repete e eu já não aguento.|.otneuga oãn áj ue e eteper es oduT .acilcíc amrof ed sasioc sa reviv ed osnaC
Um palco não é mais que isso, um beijo em quem não me acompanha não passa de um beijo, mas entenda:

_NEM_AS_COISAS_SENDO_SOMENTE_O_QUE_SÃO_CARREGAM_QUALQUER_SIGNIFICADO_

O ser por ser é mais vazio que o nada, já que este mostra a ausência de alguma coisa.
Queria virar performance do que sinto e quando sair na rua de moletom me apresentar como
\Outra, prazer\
Sumir e não ter relações pessoais entre eu arte e o resto do mundo. Ser aparição e desaparecer na noite. _Sem shows de dia_Sem luz demais_Mais fumaça, por favor, para que eu me camufle_

Ás vezes nem isso.

Uns reais pra alugar meu espaço e uns trocados pra alimentar meu amor.
Às vezes mais que isso.
Às vezes nada.
Com a vida inteira na minha mão, não vejo futuro em nada apesar de ver futuro demais em tudo.
E o /nada/ volta com uma força bruta. O que foi embora para que ele ficasse?
Será que fui eu?

_entender que sou arte e vario | um mantra diário